segunda-feira, 26 de julho de 2010

Os currais eleitorais elegem quase todos os políticos e impedem que surjam novas ideias

A maior destruição de nossa política é o tal do curral eleitoral. Muitos não sabem, mas nas eleições, existe um grande jogo de cartas marcadas, onde os eleitos já entram na disputa com a dimensão de quantos votos vão ter.

O curral eleitoral é uma maneira de comprar votos de forma institucionalizada e funciona por meio de uma espécie de profissionalização de lideranças comunitárias.

Algumas diferenças básicas

Político que trata o povo como seu curral

*Recebem salário de um candidato para trabalhar o nome dele na respectiva comunidade, é um parasita.

*Comanda as visitas do candidato às associações de bairro.

*Distribui material e faz com que seus amigos e conhecidos da região votem, formando assim o curral.

*Procuram denigrir a todo custo à imagem de algum candidato que aparece com um discurso novo com medo que esse faça o que eles nunca fizeram enquanto detinham ou detém o poder.

Outras ações dos Políticos que tratam o povo como seu curral

Paralelamente às ações acima citadas, outras medidas fortalecem o curral: compra de espaço em jornais de bairro; fornecimento de transporte para o dia da eleição, que garante que todos do curral votem; contratação de um poderoso grupo de “faxeiros”, que fixa faixas e placas do candidato no curral e parte para a briga se outro candidato aparecer.

Fazem questão de aparecerem nas fotos com suas caras lavadas manobrando máquinas, para apagar sua ridícula administração. Já outros aparecem nas fotos escavacando poços que devido a sua falta a população padeceu de sede por quatro longos anos.

Políticos que não tratam o povo como seu curral

*Não recebem qualquer remuneração de um candidato para trabalhar o nome dele na respectiva comunidade, quer apenas o compromisso dele com o desenvolvimento da comunidade, vivem do seu próprio salário.

*Apresenta o candidato durante as visitas às associações de bairro, povoado, comunidade.

*Distribuir material de campanha, mas deixa com que seus amigos e conhecidos da região fiquem a vontade para decidir, pois tem consciência que o voto de cada um é livre.

*Respeita o candidato adversário evitando criticá-lo, se preocupa que as discursões fiquem no campo das odeias.

Bom, esse tipo de prisão existente em nosso país explica a ampla maioria de vereadores e deputados que jamais ouvimos falar, que se lixam para opinião pública, não se esforçam durante três anos e seis meses, pois estão superconfortáveis com seu lote de poder. A cada quatro anos seus currais garantem a manutenção das regalias.

Os malditos currais destroem um dos pilares do sistema democrático: “o voto de opinião”. Não existe quase espaço para candidatos com ideias claras, novas e que queiram entrar na política por idealismo. A campanha pelo debate de ideias, o envio de propostas para amigos, a militância verdadeira e engajada se confrontam com as máquinas de votos baseadas nos currais. As chances de êxito são mínimas.

Precisamos atacar os alicerces de picaretagem e manutenção do status desses picaretas. Faço voto que toda munição de alguns que ainda tem ideais se destine à destruição dos currais eleitorais e de tudo o que eles representam. Proponho que em 2010 o eleitor não vote em quem tem curral. Não se permita ser tratado como um bicho.


****
É por isso que sou fã do Professor Toinho! Ele definiu direitinho como é funciona um "curral"... É hora de abrir os olhos, meu povo!!!

Um comentário:

Anônimo disse...

os politicos estão certo quem estar errado e culpado são os eleitores

Marcadores